menu

Image Map

28/06/2017

Resenha | O Senhor do Vento - Gabriel Réquiem

Este conto é sobre uma personalidade que você conhece bem. 

De maneira que realidade e fantasia se mesclam e dialogam, conto-lhe esta história sobre um homem real que deu asas à sua imaginação. É quebrada a linha invisível que separa estes dois âmbitos, então, meu caro, talvez em alguns momentos você não distinga verdade de ficção, velejará nestes dois mundos sem sequer perceber e quando eu terminar de lhe narrar este fato, estará boquiaberto com as surpresas que tenho pra revelar. Tudo começa por causa de um baú. Puxe uma cadeira e vamos descobrir o que guarda essa caixa de memória.

Emília e Zezinho, depois de brincarem e se aventurarem na floresta, chegam imundos e sua avó Anastácia não gosta nada do estado lamentável que chegaram os dois. A menina está suja desde as meias listradas até os fios de cabelo amarelo. Zezinho nem se fala! 

O menino, nosso protagonista, um garoto curioso (e que bom, pois é através da curiosidade que nascem as histórias) encontra, certo dia, a porta que tanto lhe era proibida, aberta. Com medo de sua avó Anastácia ralhar-lhe por aquela desobediência, logo entra no aposento e trata de fechar a porta. Acende um lampião e começa a vasculhar o cômodo que cheira a mofo. 

Há uma tímida luz filtrada por um buraquinho no teto. Os pingos de poeira parecem dançar na luminosidade e ela aponta para um baú. E com sede de aventura, o menino abre aquela caixa velha e empoeirada, mal sabendo que está abrindo as portas de um mundo desconhecido. Encontra tantas coisas do seu tio-avô Sinésio Monteiro, considerado um herói da Guerra do Paraguai e condecorado pelo Duque de Caxias. Encontra, dentre tantas recordações do tio louco, um cachimbo mágico entalhado com detalhes de pica-paus amarelos. Abaixo do cachimbo havia um diário do tio e movido pela curiosidade o menino começa a lê-lo. 

***

Sinésio, um homem sofrido da Guerra, já havia presenciado muita coisa, mas o que aconteceu com o cabo Aurélio realmente lhe assustava. Num ímpeto de valentia e burrice, o soldado Alemão, atrai os monstros que fizeram aquilo com o cabo. Logo, uma chacina ocorre e, espantado de horror, o sábio soldado indígena, Cuca, os nomeia como Os Senhores do Vento. Depois de acabado o serviço, o que parece ser o chefe deles, decide que Sinésio deve viver para que conte a todos o que acontecera neste dia terrível e entrega a ele um objeto entalhado com pica-paus amarelos como prova de que aquilo tudo não fora um sonho. 

***

Depois de ler o diário, Zezinho teve pesadelos durante muito tempo. E como nossa memória é frágil e nossa imaginação, sensível, esquecemos e interpretamos as coisas de maneira diferente, por isso, aqueles Senhores do Vento, hoje são conhecidos por outro nome e depois de grande, graduado em Direito, Zezinho volta ao sítio para contar a sua versão dos fatos.


Classificação:
Autor: Gabriel Réquiem 
Editora: Draco
Ano: 2014
Páginas: 22

18 comentários:

  1. Olá!
    Parabéns pela resenha é bastante instigante! E o conto parece ser muito bom e cheio de mistérios!
    Beijos,
    https://teattimee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Obrigadaaa.
      O conto é muito bom mesmo. <3
      Beijos

      Excluir
  2. Que obra diferente, trazer a uma nova história os personagens clássicos da nossa infância! Parece bem interessante essa nova abordagem!
    Beijos! ♡
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
  3. Oi Mi!
    Fiquei encantada com sua resenha. Você sabe que amo fantasia, e esse livro parece ser uma combinação se tudo o que a gente gosta, né? Adorei!

    Beijoooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cecy!
      Obrigadaaa.
      Você vai amar o conto.
      Beijos

      Excluir
  4. Uhh que medinho, hehehe
    Essa mistura de realidade e mistério é infalível. Me prende facil, facil!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, sim, é bem carnificina em uma parte,
      mas depois não.
      Beijos

      Excluir
  5. Uau! Parece incrível, realmente muito bom, ainda não li nenhum livro assim, espero ter a oportunidade de ler esse ❤ gostei muito da resenha!
    Beijos ❤
    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir
  6. Ola! Tudo bom?
    Que resenha bem escrita! Não conhecia esse livro, a premissa misturando a fantasia e realidade!
    Beijos, Yasmim.

    Blog: http://literarte.blog.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, tudo bom!
      Obrigadaaa!
      O conto é maravilhoso, Yasmim.
      Beijos

      Excluir
  7. Olá, eu não conheço esse livro e nem esse conto mais fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um conto apenas, Lara.
      É muito bom.
      Beijos

      Excluir
  8. Ei fiquei bem confusa, não sei bem o que falar. Kkkkkkk!
    Mas apesar disso fiquei curiosa. Vê se pode! HASUIHSAIUhas

    Beijos
    Literatura Estrangeira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, o conto é maravilhoso.
      Não sei porque ficou confusa, mas dê uma chance ao conto e comprove com seus próprios olhos. <3
      Beijos

      Excluir
  9. Hey, adorei a resenha. Apesar de não gostar tanto de fantasia me deixou bastante curiosa sobre esse livro. Vou procurar para ler. 😊

    ResponderExcluir

Olá! Seja muito bem-vindo a este espaço, que é nosso!
Deixe seu comentário e clique em "Notifique-me" para podermos conversar; são bem-vindas críticas construtivas, mas não xingamentos. Deixe também o link de seu blog, se tiver, para que possamos lhe retribuir a visita e segui-lo.
Um abração!

© ♥ Eu Sou Um Pouco De Cada Livro Que Li ♥ - 2016. Todos os direitos reservados.
Designed by: Amanda Hauanne e Mirelle Almeida. Cabeçalho by: Edu Anjos.
Tecnologia do Blogger.