29/01/2016

Parceria com a autora Ananza Figueiredo \o/

Oii, genteee! Tudo firmeza? 
Mais uma parceria com autor. \o/ Dessa vez é com a carioca da gema Ananza Reis. Ela é autora do livro "Minha vida contada em poesia".



Sinopse:
'Minha vida contada em poesia' é um testemunho de fé e superação, onde a autora descreve em suas liras, com simplicidade e doçura, uma trajetória de altos e baixos... E barganhando sua fé em troca de um amor, acabou se apaixonando pelo Criador.

Sobre Ananza:

"Ananza Figueiredo, cristã, carioca da gema, advogada, escritora e apaixonada por poesias! Começou a escrever em 2003, sem a menor pretensão de construir um livro... Mas em 2014 reuniu todos os seus textos e criou o "Minha Vida Contada em Poesia", que conta seu testemunho de fé, amor e cuidado de Deus".
Assim que ler o livro, deixarei minhas impressões no blog, mas parece bem interessante. Se você quiser saber mais sobre a autora ou o livro, entre em contato pelo:

28/01/2016

Livros de Romance que indico

Olá, leitores! Tudo bem? Espero que sim.
Então, hoje resolvi indicar livros que gostei muito, especificamente, Romances. Claro que existem mais, mas elegi alguns. Espero que vocês gostem.


1. Trilogia "A Seleção", de Kiera Cass
Trata-se de livros distópicos e a história gira em torno de América Singer. Ela é uma das 35 garotas escolhidas, onde apenas 1 será rainha e esposa do príncipe Maxon. A história está cheia de conflitos, disputa pelo poder, mas o foco mesmo é no romance. 

2. Trilogia "Não Pare!", de FML Pepper
Essa é uma trilogia de uma autora brasileira. A história vai narrar a vida de Nina Scott, que vive fugindo de algo a espreita, mas ela não imagina o que seja. Até que ela fica cara a cara com seu perseguidor e tem que fazer escolhas e, inclusive, ele. Amei o "Não Pare!", e ainda vou ler os outros, mas, pelo primeiro, sei que posso recomendá-los sem mesmo conhecê-los a fundo. Para conferir a resenha do primeiro livro, clique aqui.  

3. "Princesa Adormecida", de Paula Pimenta
E quem não ama Paula Pimenta? Gente, os livros dela têm uma narrativa fluida e são maravilhosos. O "Princesa Adormecida" faz uma releitura superlegal do conto "A bela adormecida". A história se passa nos dias atuais e você não consegue se desgrudar das páginas até que o livro acaba.

4. "O livro das Princesas", de Meg Cabot,Paula Pimenta, Lauren Kate e Patrícia Barboza 
São quatro contos reunidos que também fazem releitura de contos de fadas como "A Bela e a Fera", "Cinderela", etc. 


Esses só são alguns. Abração! ^^

27/01/2016

Parceria com o blog Amanda Hauane

Oii, gente!
Mais  uma vez venho anunciar uma parceria. Dessa vez é com o blog Amanda Hauane. A administradora, de mesmo nome, é uma pessoa maravilhosa e cheia de ideias. No blog, ela e seu colaborador João Victor, falam sobre livros, escrevem textos diversos e muito mais. Para acessar o blog, clique na imagem.
Sigam no:

Curtam, comentem e compartilhem!

Abraço!

24/01/2016

Alice em silêncio

"Alice é apenas uma garotinha assustada, resgatada dos escombros de um deslizamento na estrada, no meio de uma tempestade feroz e destruidora. Pedro também foi arrastado com ela e esteve à beira de desistir (de ishcorregar, o locutor de fala arrastada repetia dentro de sua cabeça), mas aquele estranho sonho em que via a menina com seus grandes olhos azuis assustados... aquilo o fez voltar a si. Precisava tirá-la de lá! Vagando em direção à cidade, eles testemunham a destruição e a dor dos sobreviventes da catástrofe. Desabrigados, feridos, enfermos, mortos... E em meio ao caos surge o rumor de que Alice talvez... talvez tenha curado uma pessoa quando a tocou. Poderia ser possível? Num mundo real, palpável e cruel... poderia ser possível? Pedro insiste que não, mas talvez esteja apenas tentando protegê-la, porque a cada instante parece mais evidente que a verdade...Pedro sabe a verdade. Mas não pode contá-la. Não agora. Porque ele sabe do que as pessoas são capazes para conseguir o que querem."

A alavanca para a história é uma menininha de quatro anos de idade e de grandes olhos azuis e cabelos dourados. O carro de Pedro Malta é arrastado durante uma tempestade avassaladora e o de Alice também. Ele a consegue salvar e, então, começa a jornada. E quando surge a suspeita de que Alice pode curar pessoas, Pedro começa a tentar protegê-la a todo custo.

Temos dois narradores, Pedro, que narra a maior parte do livro, e um outro em terceira pessoa do singular, que narra a respeito do Andarilho. Desde o começo, somos envoltos em mistério. A princípio, nos primeiros capítulos, o livro é bastante descritivo, não chega a ser cansativo, mas possibilita um mergulho profundo na história, porque também estamos vendo e fazendo todo o percurso que Pedro faz com Alice e, mais tarde, com Patrícia.  O narrador, ainda que nos submerja ao mistério, nos conduz e nos orienta. Ele não nos dá respostas, mas indica os caminhos, as trilhas, para que, debaixo da tempestade e dos escombros, possamos buscá-las. O livro todo nos proporciona uma espécie de garimpagem.

Alice foi vista naqueles dias, naquele curto espaço de tempo, como um bichinho exótico, um amuleto, uma arma, um anjo. Nesse último item de sua lista de rótulos, há os que a viram com asinhas brancas e auréola e os que viram outra coisa. Uma coisa que tenha caído. Acredite, ela não é nada disso.

(Quer um conselho de leitor para leitor? Se agarre na afirmação acima. É tudo o que eu posso dizer, haha.)

Assim que nos deparamos com um personagem que só vive fugindo de algo ou alguém, começamos a supor várias coisas, mas nunca teria imaginado o desfecho da história. O autor me surpreendeu de uma forma sensacional. E, afinal,  nós vemos que era Pedro quem precisava de proteção assim como ele afirma.

No fim das contas, não fui eu quem a protegi. Foi ela. Ela foi meu escudo.

A trama é tão bem enlaçada que nos deixa com a sensação de completude. É o tipo de livro que não deixa nada a desejar. Tudo está bem traçado, de forma que real e fantasia andam juntinhas. Não se chocam, elas dialogam. E o mais incrível é que não parece bobo nem nada. Está tudo bem formado e articulado para nos dá a sensação de verossimilhança. As explicações para o dom ou maldição, como queira, que se supõe que a menina tem, são formuladas de forma que tudo se encaixa perfeitamente. 

Quando comecei a ler o livro não consegui mais parar, cada página era um revirar de escombros, era uma busca pela compreensão de Alice, de Pedro, e do Andarilho que tanto me encucou. O autor soube conduzir bem a narrativa, dando doses, soltando apenas as informações necessárias, como se fossem sinalizações, para que seguíssemos em frente. É como se estivéssemos no fundo do mar e cada informação fosse uma espécie de mão salvadora que nos ajudava a aproximarmo-nos da superfície.

Em suma, o livro Alice em silêncio é um livro lindo, cativante e cheio de mistérios que, com certeza, vai te pegar de surpresa. Até hoje estou pensando em como não percebi as pistas, em como não juntei tudo e montei o quebra-cabeça.

É preciso perguntar se eu recomendo? Siiiiim, recomendooo! <3
Gostou da resenha? O blog está sorteando 2 exemplares. Clica aqui e participa!
Abraço!

Classificação:
Editora: SCORTECCI
Ano:2015
Páginas:216

23/01/2016

Canção da rainha


Neste conto que se passa no universo da série A Rainha Vermelha, você terá acesso ao diário secreto da rainha Coriane, primeira esposa do rei Tiberias VI e mãe de Cal. Presente de seu querido irmão Julian, o caderno se tornou o único lugar onde a nobre prateada podia desabafar sem que seus pensamentos e emoções fossem usados contra ela. Ainda jovem, Coriane Jacos foi obrigada a se mudar para o palácio real e lutava para lidar com os perigos e armadilhas do convívio com as outras Grandes Casas. A garota e o então príncipe herdeiro ficaram cada vez mais próximos, provocando a inveja e o ciúme de outras jovens da nobreza, sobretudo Elara Merandus — que tinha o poder assustador de entrar na mente das pessoas. Apaixonado, o príncipe descartou a Prova Real e escolheu Coriane como sua esposa, mas a vida da jovem rainha estava muito longe do tradicional “felizes para sempre”…

O conto é narrado na terceira pessoa do singular desde a perspectiva da rainha Coriane Jacos, mãe do príncipe Cal. Ele conta um pouco mais (pouco mesmo) sobre a vida de Coriane e de outros personagens que povoam o universo de A Rainha Vermelha, como Elara Merandus, a curandeira Sara Skonos, Tibérias V, sua esposa e rainha Anabel e seu amante, o príncipe Robert, além de expor mais sobre Tibérias VI, pai do Cal e do Maven, e da família de sua amada Coriane, como seus pais, seu querido irmão Julian e sua prima Jessamine.

A narrativa é bem leve e corrida, características próprias do gênero Conto. Se você busca algo mais aprofundado sobre a antiga rainha, não vai encontrar. O conto só faz uma explanação rápida da vida dela: desde o momento em que conheceu Tibérias VI, o Tibe, até seu trágico fim, tudo tratado de forma bem superficial.

A verdade é que ele acrescenta muito pouco do que já vimos no A Rainha Vermelha. Apesar de saber que é um conto e, por isso, exige uma narrativa curta, achei tudo muito corrido e terminei com as sensação de vazio, ou melhor, de lacunas não preenchidas. 

Acredito que o conto poderia ter sido mais estendido e que a vida de Coriane mais explorada. A história nos mostra uma personagem frágil, incapaz de lidar com seu poder e que leva uma vida amargurada, que descreve em seu diário que ganhou do irmão mas que, no fim, não tem nenhuma serventia.

A única coisa que achei legal é que ficamos sabendo por que  Cal não pode simplesmente acabar com essa história de "Prova Real". Seu pai, Tibérias VI, ao decidir eliminar esse quesito e escolher com quem se casaria por livre e espontânea vontade, compromete o futuro de sua geração, pois as outras Casas(que constituem a Elite. Possuem poderes variados) só aceitaram Coriane Jacos sob a condição de que seu filho e futuro rei de Norta, e os outros depois dele, teria que promover a tal prova a fim de que as jovens das diversas Casas mostrassem seus poderes e, assim, o príncipe pudesse escolher sua futura esposa e rainha. É claro que tinha que ser a mais forte.

Gente, sério, gosto muito de A Rainha Vermelha, apesar  de ver muitas coisas de outros livros impressas na história. Mas, mesmo assim, amei, porque isso é normal. E, por isso, esperava bem mais desse conto. Eu já li contos e até mais curtos que esse, mas eram bem formulados e não deixou esse "vazio". Mas, apesar de tudo, recomendo para quem quer uma história rápida e sem aprofundamento. Eu achei o título lindo, ele revela o dom da Coriane, mas, infelizmente, ele não é explorado.

Classificação:
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Ano: 2015
Páginas: 51

13/01/2016

Divulgado o título do segundo volume da sequência de "Corte de Espinhos e Rosas", de Sarah J. Maas



Genteee, a Sarah J. Maas, autora da série "Trono de Vidro", publicada pela editora Galera Record, e autora do livro recentemente publicado pela mesma editora "Corte de Espinhos e Rosas", anunciou o título do segundo volume da série "A COURT OF MIST AND FURY" (Corte de Névoa e Fúria), que será lançado ainda este ano pela Galera Record. Que massa! Tô aguardando ansiosa. Quando vi a notícia no Twitter, surtei. 
E outra coisa, o "Corte de Espinhos e Rosas" vai virar filme. Isso mesmo! Ele teve os direitos comprados pelo estúdio ''Tempo Productions''.


FanMade para a capa:

A capa só será revelada amanhã, mas acho que a cor azul vai se fazer presente pelo que estão divulgando no twitter. ^^

SINOPSE TRADUZIDA: Feyre sobreviveu as garras de Amarantha para voltar a Corte da Primavera - mas a um custo inesperado. Embora ela agora tenha as atribuições da Corte feérica, seu coração continua sendo humano, e não podemos esquecer os atos terríveis que ela realizou para salvar o povo de Tamlin. Feyre não havia esquecido de sua barganha com Rhys, grande e temido Lorde que navega em uma teia escura de política, paixão e poder deslumbrante, um verdadeiro tecedor de males. Feyre pode ser a chave para pará-lo. Mas só se ela for capaz de aproveitar seus dons angustiantes, curar sua alma angustiada, e decidir como ela deseja construir seu futuro. E o futuro de um mundo cindido em dois. Com mais de um milhão de cópias vendidas da série Trono de Vidro, Sarah J. Maas traz este 2º livro sequência de sua série sedutora e cheia de ação e novas aventuras.

10/01/2016

A Estranha Mente de Seth

Antes de começar, gostaria de deixar uma apresentação que a própria autora fez pra vocês entenderem e mergulharem mais profundo na mente de Seth.

"Em 1914 dá-se início a um conflito de proporções inimagináveis que marcou para sempre a história da humanidade. A I Guerra Mundial.
A barbárie e a violência desse embate destruiu uma geração inteira de poetas, artistas, escritores, músicos, de inventores e atletas.
Foram mais de 19 milhões de vidas ceifadas, entre soldados e civis. Homens, mulheres e crianças que viram suas vidas e famílias destruídas pelos horrores das bombas, tiros e gases tóxicos.
Tudo isso foi resultado de uma série de fatores que colapsaram as estruturas políticas da Europa no Início do Século XX, mas teve como estopim o atentado que levou à morte do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono Austro-húngaro, e sua esposa em 28 de Junho de 1914 em Sarajevo.
O homem que o matou chamava-se Gavrilo Princip. Um jovem engajado em uma luta revolucionária e membro do grupo terrorista Mão Negra. Os tiros deflagrados por ele acenderam o pavio de uma bomba que estava prestes a explodir.
O que se escondia por trás da mente desse homem?
Quais segredos, paranoias ou dilemas ele viveu até aquele momento?
Neste livro apresento Seth Richards. Um jovem que em um universo fictício e em um tempo mais recente serve como um espelho do que imaginei como sendo a mente do algoz de Francisco Ferdinando. Dessa forma podemos viajar entre o brilhantismo e a psicopatia desse personagem enigmático e sombrio.
Poderemos viver junto com Seth Richards suas dúvidas entre as alucinações e a realidade, entre o conformismo e a revolução, entre o amor platônico e a violência da paixão."

SINOPSE: Seth R. é um jovem extremista, um pensador que vive entre aulas matinais na faculdade e noites de treino numa sociedade clandestina e assassina em Vojerasa. Seth tem duas obsessões que controla com frieza e paciência: manter Lauren, seu amor platônico e sôfrego, pura para sempre e matar o conde Luendres Marquez. Tudo foi planejado. Ele tem um plano perfeito. O mártir perfeito em quem se apoiar. Seth fará o impensado e causará a Primeira Grande Guerra.


Tudo começa com Antonie Latos, um anarquista que trabalhava em um grupo extremista chamado Face Negra e teve a coragem e audácia de atirar em Sufue Antine, mas este sobreviveu. Após a morte do aclamado mártir Latos, o grupo segue o legado, o qual anseia a unificação entre Kentauk e Sorveis e a dissolução do poder do Império de BirronEles anseiam pela liberdade e lutam por isso, para livrar a nação do domínio do Império, que oprime o povo em prol das riquezas de sua terra.

A história nos é contada a partir da perspectiva de Seth Richards, um jovem anarquista que se aliou à Face Negra e alimenta um ódio crescente pelos Birronenses, que fazem parte da elite opressora. É uma narrativa no presente, linear e cronológica.
À medida que vamos lendo, nos deparamos diante de uma explosão de pensamentos e ideias e ações do protagonista onde ele coloca em evidência seu descontentamento e desejo de Liberdade. É uma escrita simples, mas ao mesmo tempo profunda à medida que temos acesso aos pensamentos de Seth, o que os torna palpáveis de alguma forma.

Outra coisa interessante notar é que os trechos das músicas escolhidas para inaugurar cada capítulo condiz com seu desenrolar, seu conteúdo. 

Seth é, na verdade, um psicopata, que alimenta um amor platônico por sua colega de faculdade Lauren. Ela é seu amor imaculado, intocável, puro e ele faz de tudo para que tudo continue assim, nem que precise tomar "precauções" drásticas. Mas enquanto lemos, enquanto temos um acesso a mente dele, não conseguimos vê-lo como uma má pessoa, mas como um doente. Porque é o que ele é, na verdade.

Finalmente, ele tem a oportunidade de demonstrar sua devoção à sociedade Kentausense. E ele não erra o alvo.

A história é baseada em fatos reais, só que a autora mudou nomes e lugares, mas a intenção era traçar a trajetória e os pensamentos de Gavrilo Princip, um “herói” que marcou a história e, para isso, ela usa Seth R., que vai incorporar essa missão.

Eu sou apaixonada por História e quando a Alana me apresentou o livro fiquei fascinada e entusiasmada e não me decepcionei. Há momentos que você fica meio confuso, mas isso é normal, já que Seth é um amontoado de pensamentos e ideias que se mesclam. Mas a gente nunca fica no branco, seus atos sempre são explicados, não se preocupem.

Eu, particularmente, achei o desfecho um pouco abrupto, mas quanto ao resto, amei o livro e recomendo.

 Classificação:
Autora: Alana Gabriela
Ano: 2015
Páginas: 146

09/01/2016

Sorteio de 2 livros Alice em Silêncio, de Jefferson Sarmento

Oii, gente! Hoje vim anunciar um sorteio. \o/\o/ 
O autor Jefferson Sarmento, em parceria com o blog, disponibilizou 2 livros Alice em Silêncio para sortear. Não percam! Serão 2 ganhadores, ou seja, 1 exemplar para cada um.
Corram! \0/
Ah, e tem que morar em território nacional pra participar do sorteio, certo?
Dia 09 de fevereiro, anunciarei o resultado e depois do período de carnaval, os livros serão enviados. Não se preocupem, entrarei em contato por e-mail, ok? ;)

"Alice é apenas uma garotinha assustada, resgatada dos escombros de um deslizamento na estrada, no meio de uma tempestade feroz e destruidora. Pedro também foi arrastado com ela e esteve à beira de desistir (de ishcorregar, o locutor de fala arrastada repetia dentro de sua cabeça), mas aquele estranho sonho em que via a menina com seus grandes olhos azuis assustados... aquilo o fez voltar a si. Precisava tirá-la de lá! Vagando em direção à cidade, eles testemunham a destruição e a dor dos sobreviventes da catástrofe. Desabrigados, feridos, enfermos, mortos... E em meio ao caos surge o rumor de que Alice talvez... talvez tenha curado uma pessoa quando a tocou. Poderia ser possível? Num mundo real, palpável e cruel... poderia ser possível? Pedro insiste que não, mas talvez esteja apenas tentando protegê-la, porque a cada instante parece mais evidente que a verdade...
Pedro sabe a verdade. Mas não pode contá-la. Não agora. Porque ele sabe do que as pessoas são capazes para conseguir o que querem."
Ah, deixem o e-mail nos comentários, certo?
Segue abaixo o formulário. Boa sorte!!! 
O sorteio terminou e já temos os dois vencedores. \o/ Parabéns a Marilene e ao Weverton. Entrei em contato e preciso que respondam em até 24 horas, caso contrário, serão escolhidos outros.
Não poderia deixar de agradecer a todos que participaram. Vou fazer outro sorteio no blog, fiquem atentos. 

a Rafflecopter giveaway 

08/01/2016

Por que os leitores, cientificamente, são as melhores pessoas para se apaixonar?


Clicando aqui e acolá, encontrei um texto super interessante e resolvi compartilhar. Eu concordo, haha, não sei vocês. 



"Não é novidade que os livros são um diamante para o seu cérebro. Embarcar em páginas, palavras e imaginação é o melhor presente que você pode dar à sua mente. O hábito da leitura pode trazer mudanças significativas para a sua inteligência, seu estado de ânimo e a sua bagagem cultural.

Durante a leitura, é possível encontrar respostas para os anseios que permeiam a sociedade, viver histórias e ir a lugares nunca antes imaginados. É também uma ótima maneira de melhorar a habilidade comunicativa e ficar mais articulado, considerando que ler é uma forma de estarmos em contato com novas palavras, praticando o uso correto da gramática e desenvolvendo a memória. 

Sendo assim, não há como ir contra a ideia de que conversar com quem gosta de ler pode ser muito mais interessante. É bastante comum, em um primeiro momento, não nos sentirmos atraídos por alguém, mas depois de uma boa conversa tudo mudar e… a pessoa se tornar mais atraente. 

Isso acontece porque a inteligência é algo que nos atrai e existem até estudos científicos que provam que as pessoas que leem são os melhores tipos para se apaixonar. De acordo com uma pesquisa da Universidade de York, no Canadá, pessoas que gostam de ler ficção têm maior capacidade de sentir empatia e desenvolver o que chamam de “Teoria da Mente”. 

A “Teoria da Mente” é a habilidade de conseguir entender e aceitar diferentes opiniões, crenças e interesses. Segundo os pesquisadores, os leitores têm essa habilidade mais desenvolvida porque conseguem vivenciar as situações por outros olhos: os olhos dos personagens de seus livros. 

A escritora americana Lauren Martin publicou um artigo sobre esse assunto, chamado “Why Readers, Scientifically, Are The Best People To Fall In Love With”. Confira abaixo os argumentos que ela usa para explicar essa tese: 

Eles não vão falar com você. Eles vão conversar com você. De acordo com o artigo, os leitores escreverão cartas e versos. Como eles conseguem escrever melhor e se expressar melhor, não dão respostas simples, mas apresentam pensamentos profundos e teorias intensas. 

Eles não apenas te entendem. Eles te compreendem. Segundo o psicólogo David Comer Kidd, da New School for Social Research, “o que os autores fazem de maravilhoso é transformar você no escritor. Na literatura de ficção, a incompletude das personagens faz com que sua mente tente entender a mente de outros”. Desta forma, os leitores desenvolvem a capacidade da empatia e buscam entender diferentes pontos de vista. 

Eles não são apenas inteligentes. São sábios. Quem não gosta de conversar com alguém cheio de assunto? Leitores não só adquirem mais sabedoria como também melhoram a memória e a capacidade de detectar padrões. Segundo a autora, “se você namora alguém que lê, então você também viverá milhares de vidas diferentes.” 

E você, concorda?"

Fonte:UpdateorDie

Obs.: O texto não é meu, compartilhei do blog Leitura.com

07/01/2016

Respostas para a Tag "De Tudo Um Pouco"

Oi, gente, tudo bem?
Fui tagueada por Maísa Andreoli, do blog Pequeno Mundo dos Livros(é só clicar no nome do blog para acessá-lo).
A Tag não tem nada a ver com livros, é mais uma coisa pessoal, mas achei tão interessante porque a gente acaba conhecendo outros blogs e blogueir@s, então, resolvi responder.

REGRAS


• Responder a todas as perguntas


• Indicar no mínimo 11 blogs com menos de 500 seguidores


• Colocar o selo da Tag


• Colocar o link de quem indicou



Perguntas
1 - Qual é o teu estilo preferido de música?
Soft rock gospel.




2 - Qual é a tua peça de roupa preferida?
Tenho mais de uma. Calça e vestido.




3 - Qual é o teu calçado favorito?
(Havaianas, hahaha) Gosto muito de percatas.



4 - Camisa ou camisola? Calças ou calções?
Pra dormir? Calças de algodão, mas no calor prefiro shorts.



5 - Cabelo estiloso ou tradicional? Liso ou encaracolado?
 De preferência, ondulado.



6 - Brigadeiro ou gelado?
Com toda certeza, brigadeirooo. <3 (I love you, Brigadero)



7 - Doce ou salgado?
Gosto dos dois, mas prefiro doce.



8 - Como defines o teu estilo?
Será que tenho um estilo? Acho que sou de boas.



9 - És do tipo de pessoa que consome bastante ou só compra o básico?
Olha, não sou do tipo de gastar em roupa e sapatos, mas em livros gasto bastante e em comida também, haha. 



10 - Consideras-te vaidoso(a)?

Não, acho que não sou. Eu uso roupas ou acessórios com os quais me sinta bem, e isso basta.

Blogs que eu indico para participar:

04/01/2016

Corte de Espinhos e Rosas

Sinopse:
Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance.
Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação.
Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira — que ela só conhecia através de lendas —, a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... ou Tamlin e seu povo estarão condenados.


Em meio a um mundo frio e cruel, o coração da jovem Feyre, de 19 anos, arde de ódio pelos feéricos— um povo imortal que possuía magia e era responsável pelo massacre e quase dizimação dos humanos.

"[...] nós éramos as bestas semisselvagens para os Grãos-Feéricos. Mesmo que fossem eles os que vestiam peles e tinham garras."

Vivendo em uma aldeia ao norte de Prythian, Feyre faz de tudo para deixar a família— o pai, as irmãs Nestha e Elain — o mais alimentada possível, atrelada à promessa que fizera no leito de morte de sua mãe de que cuidaria deles e sempre estariam juntos, apesar de ela ser a mais nova de suas irmãs. 

Para cumprir o que prometera, a jovem se vê impelida a levantar todas as manhãs com os primeiros raios de sol a fim de se aventurar no bosque e caçar animais para não deixar a família morrer de fome.

Em uma dessas caçadas, Feyre acaba matando um lobo, ou foi o que ela achou. Mal sabia a jovem que a flechada ia ser-lhe cobrada. Tamlin, um Grão-Senhor da Corte Primaveril, foi-lhe reclamar a vida do amigo Andras, o lobo.

Para cumprir o suposto Tratado que os feéricos tinham com os humanos a fim de  garantir paz a ambos, ela deveria pagar a vida do feérico com sua própria; uma vida por outra, mas isso não significou sua morte, e sim sua separação da família que tanto amava, pois tinha que morar em Prythian e ficar lá pelo resto de sua existência como punição pela morte de Andras. Mas, ainda que não soubesse, o destino tinha preparado planos para ela.

A narrativa, no início, é movida pelo desejo de Feyre de se libertar, achar alguma brecha no Tratado que permitisse que ela voltasse para casa.

À medida que vamos lendo, temos a sensação de que a história nos é descrita através de pinceladas e, pelos olhos sensíveis de Feyre, apaixonada pela pintura, vemos e sentimos as cores e os contrastes, o que vai nos deixar com a sensação de que estamos apreciando uma paisagem com as mais diversas tonalidades e texturas. Até a capa dialoga com essa ideia e nisso tenho que parabenizar a equipe da editora Galera Record. 

O convívio com Tamlin e o restante de sua corte, Lucien inclusive, faz Feyre perceber que estava errada em relação aos feéricos, nem todos eram desprezíveis e maus, existiam os que se importavam com as pessoas, como Tamlin.

Então, o ódio que ela sentia começa a se dissolver até que ela se descobre avassaladoramente apaixonada pelo Grão-Senhor. Ele corresponde ao sentimento, mas uma ameaça tão perigosa quanto a noite na floresta de Prythian está à espreita, pronta para acabar com qualquer felicidade deles e tem atacado a corte Primaveril e enfraquecido a magia de seus membros. E só Feyre pode destruí-la.

A corte Primaveril vive sob uma maldição. Todos, inclusive  Tamlin e Lucien, estão presos a máscaras e de modo algum conseguem retirá-las. Desse modo, Feyre nunca vira o rosto de seu amado por causa de sua máscara de esmeralda. 

Foi uma maldição outorgada por Amarantha, a Grã-Rainha de Prythian, que vive em Sob a Montanha e detém a maior parte do poder dos Grãos-Senhores de todas as sete cortes: Corte Noturna, Corte Diurna, Corte Crepuscular, Corte Invernal, Corte Estival, Corte Outonal e Corte Primaveril. Por rejeitá-la e ao seu amor doentio, ela lança um feitiço em Tamlin e toda sua corte. Só o amor verdadeiro de uma humana poderia destruir a maldição e devolver-lhes o poder. Mas não tão fácil assim. Para isso, Feyre tem que se submeter a três provas elegidas por Amarantha e desvendar um enigma. E não posso falar mais, se não começo a soltar spoilers e não sou disso, haha.
Créditos da imagem: De cara nas letras
Por meio de uma narrativa que nos faz mergulhar em um tempo e um povo distintos,— algo mais antigo e primitivo— somos tomados pela sensação de mergulhar no mar de estrelas e quando emergimos o mundo explode em tonalidades das mais diversas e somos recebidos pelo cheiro terroso e perfumado da Corte Primaveril e nossas vendas são tiradas para que nossos olhos contemplem o que jamais viram.

Embora alguns elementos de A Bela e a Fera estejam presentes, dialogando com Corte de Espinhos e Rosas, como as fadas, que nesse caso são os feéricos  com asas que cuidam do jardim; o baile, quando Tamlin dança com Feyre na festa do solstício de verão e a questão de só Feyre ser capaz de salvar seu amado, Sarah consegue criar uma história com uma tonalidade diferente, algo que a deixa maravilhosa e ao mesmo tempo original, como um toque de magia.

É mesmo necessário perguntar se eu recomendo? Haha, sim, sim, sim!
Apesar de a tradução estar ruim em muitos trechos (fiquei super triste com isso porque sempre admirei a Galera Record pela eficiência), fazendo algumas partes ficarem meio sem sentido e ter problemas também na pontuação, ainda assim recomendo o livro. A Sarah tem uma escrita envolvente e convidativa e eu, como sua admiradora, notei em como ela amadureceu desde a série Trono de Vidro.

Espero que apreciem o livro e fiquem encantados assim como eu.

Até breve!


Classificação:
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Ano: 2015
Páginas: 434

02/01/2016

Resenha | Yaqui Delgado quer quebrar a sua cara

Sinopse: Uma garota surge de repente no caminho da adolescente Piddy Sanchez para avisá-la de que Yaqui Delgado vai acabar com ela. Piddy acabou de mudar de escola e nem faz ideia de quem seja Yaqui, muito menos do que pode ter feito de tão errado para apanhar. Mas Yaqui sabe quem ela é, e a odeia. Piddy Sanchez não tem descanso. Ser filha de uma imigrante cubana nos Estados Unidos e crescer sem pai já era bem difícil sem ter alguém a odiando. No ensino médio da nova escola, seu corpo atraente desperta tanto os olhares dos meninos quanto o da esquentada Yaqui, que começa atacando a novata com ameaças cruéis, mas demonstra ser capaz de muito mais que isso, tornando a vida de Piddy um verdadeiro inferno dominado pelo medo. Denunciar Yaqui não é uma opção. Fugir não adianta. O importante agora é sobreviver. O romance explora a questão do bullying nas escolas e fala de violência doméstica, assuntos que vêm sendo cada vez mais discutidos atualmente, por afetar muitas crianças e adolescentes.

— Yaqui Delgado quer quebrar a sua cara.Uma garota chamada Vanesa me diz isso certa manhã, antes da aula.

É exatamente assim que o livro começa, o que aguça a nossa curiosidade e nos faz querer ir adiante.

A história é narrada por Piedad, apelidada de Piddy, a vítima dessa ameaça. Ela mora com sua mãe Clara e também sob os cuidados de sua querida tia Lila e vive conflitos familiares e isso é abordado ao longo do livro.  Ele também vai explorar muito questões da adolescência, como crescer, por exemplo, e a vida no ambiente escolar. É fácil se identificar ou conhecer alguém que enfrenta/enfrentou os mesmos problemas e conflitos da personagem.

Piddy, descendente de cubanos e prestes a completar 16 anos, estuda na escola Daniel Jhones High, nos Estados Unidos. É ameaçada por Yaqui Delgado sem um motivo convincente, eu diria. Só porque o namorado desta a olhou e por causa de seu rebolado. Isso mesmo. Para falar a verdade, eu esperava mais. Esperava que o motivo de Yaqui querer arrebentar Piddy fosse por algo mais convincente, digamos assim. 

"Não consigo tirar Yaqui Delgado da cabeça. Tantas garotas rebolam... Como alguém pode odiar você por isso? É loucura."

Toda a história nos é contada com uma pitada de humor, o que era de se esperar já que o narrador é uma adolescente de 15 anos. Ou, talvez, tenha sido uma forma amenizadora que a autora achou para abordar um tema tão sério como o bullying.

Apesar de ter uma narrativa bem fluida, em muitos trechos eu senti algo faltando. Às vezes, o narrador estava falando de uma coisa e de repente já havia parado e você ficava "Hã?  Mas já? Era só isso?" E fazia alguns trechos parecerem deslocados, pelo menos foi a impressão que tive. 

Também senti falta de uma exploração maior sobre o Joey Halper e sua familía. Sinceramente, eu senti o livro rápido demais, acho que foi isso, mas opinião é opinião.

O final é bem legal, por causa da Yaqui, Piddy acaba descobrindo sua força e acaba, de alguma forma, encontrando seu caminho e a si mesma. Eu o recomendo pra quem gosta de uma história rápida e sem muito aprofundamento. Mas pra quem é exigente com esse tipo de narrativa, acho que ele não seria ideal. 



Bem, gente. É isso.



Classificação:
Autora: Meg Medina
Editora: Intrínseca
Ano: 2015
Páginas:272
Design por Amanda Hauane

Cabeçalho por Edu dos Anjos

Tema Base por Butlariz